quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

GUIA BÁSICO PARA COMPRAS, PLANTIO E MANUTENÇÃO


Costumo receber muitas mensagens nesse blog, alguns para fazer orçamentos, outros para elogios, mas na maioria das vezes, para sanar dúvidas sobre as plantas, principalmente pinheiros negros e kaizukas. Geralmente, as mensagens começam assim: "comprei  tal planta de outro produtor, e ela está secando. Como devo proceder para recuperá-la?"
plantado em vaso pequeno e sem retirar estopa sintética

Embora seja difícil dar um parecer preciso apenas com uma descrição, nossa experiência nos mostra que na maioria dos casos, a planta definha ou morre por falta de cuidados básicos como falta ou excesso de rega, excesso de adubação e ambiente inadequado. Em outros casos, a planta já não estava saudável no momento da compra, o que para muitas pessoas pode ser difícil de se identificar.
Acredito que a maioria das pessoas não se importa muito em perder um vasinho de violetas, ou qualquer plantinha mais barata. Mas perder um Kaizuka de grande porte, ou um Pinheiro Negro de 40 anos, é uma situação que dá vontade de chorar, ou pelo menos sentir muita raiva.
Nós costumamos orientar nossos clientes a cerca dos cuidados a serem tomados na hora do replantio, mas o cliente também pode e deve tomar a precaução de tirar todas as dúvidas no momento da compra.
No caso do pinheiro negro e kaizuka, os campeões de dúvidas desse blog, as duas são plantas de ambiente externo, sol pleno, que gostam de solos com boa drenagem, e regas moderadas, mas sem encharcar. O Kaizuka gosta de solos ricos em matéria orgânica,  já o pinheiro negro não é tão exigente, e a adubação deve ser moderada. Essas recomendações devem ser seguidas à risca, para garantir que a planta cresça saudável. Desrespeitar a natureza da planta, é o primeiro passo para o o seu mau desenvolvimento.
Esse post, foi escrito pensando em ajudar as pessoas que pensam em comprar seu primeiro pinheiro negro ou kaizuka, mas pode servir  também como um mini-guia para outras espécies de plantas. Algumas das dicas que coloquei aqui, podem parecer muito básicas para pessoas mais experientes, mas costumam ser dúvidas  frequentes, tanto dos nossos clientes, dos leitores do blog, ou pessoas que nos procuram para recuperar plantas ou jardins, executados por ele mesmo, ou outra pessoa.

NA HORA DA COMPRA:
Pesquisar preços é bom, mas esse não deve ser o único fator a ser levado em conta na hora da compra. Procure sempre por bons produtores, de preferência que tenham um ponto de venda fixo, seja em loja, feiras como o CEASA, ou em viveiros. Se comprar com revendedores, certifique-se da sua idoneidade.
Evite comprar com ambulantes, a não ser que você conheça ele. Em muitos casos, ambulantes além de não terem ponto fixo, não tem o menor compromisso com cliente, nem nome a zelar. Plantas com boa procedência, são mais fortes e saudáveis, e se recuperam melhor e mais rapidamente após o replantio.
Pergunte, tire todas as suas dúvidas. Um bom produtor vai saber lhe orientar e dar dicas valiosas.
Certifique se a planta é sangrada. A sangria é um processo que leva tempo, dá trabalho e encarece muito a produção, então muitos produtores  não efetuam esse procedimento. Isso é um dos principais motivos para a diferença de preços entre plantas de porte semelhante vendidas por diferentes comerciantes. Em mudas pequenas, muitas vezes esse cuidado é desnecessário. Espécies médias e adultas devem passar pelo processo de sangria de tempos em tempos, para controlar o tamanho das raizes e garantir uma boa recuperação no transplante. Plantas adultas não sangradas, raramente sobrevivem ao replantio. Se conseguir, observe o torrão e veja se as raizes cortadas são grossas, ou são raízes capilares. Muitas raízes grossas cortadas, pode ser um indício que a planta não é sangrada.
Observe a aparência da planta. No pinheiro negro, que é muito sensível, é normal que algumas agulhas mais velhas ou muito jovens sequem  quando suas raizes são cortadas. Mas seguindo os devidos cuidados no replantio, ela se recupera com vigor. No Kaizuka não aceite a copa seca.
Confira se o torrão não está quebrado ou ressecado. Mesmo protegidos com sacos ou estopa, suas raízes estão fragilizadas e não devem ficar expostas por muito tempo. Plantas retiradas e não vendidas, devem ser replantadas, mas é comum ver plantas com torrão exposto há semanas, sendo comercializadas por aí. Pinheiros costumam morrer de dentro para fora, então muitas vezes, mesmo quando eles ainda apresentam folhas verdes, ele já está morto. Percebendo galhos inteiros secos, não compre.
Apesar de todas essas recomendações, não é tão difícil conseguir bons produtores. O CEAGESP é um bom exemplo de local para se achar comerciantes sérios.  Picaretas existem em qualquer ramo de atividade. Cabe ao comprador, fazer sua pesquisa.

NA HORA DO REPLANTIO:
Respeite a natureza da planta. Kaizukas e Pinheiros Negros são espécies de ambiente externo e sol pleno. Mesmo que ele fique lindo num vaso dentro da sala de estar, em pouco tempo, a planta vai definhar até morrer. Plantar em ambientes externos com pouca luminosidade também prejudica o seu bom desenvolvimento. Os galhos, depois que secam, não se recuperam mais.
pinheiro negro plantado em local inadequado.
Trouxemos para o sítio, para tentar recuperar,
mas  não teve jeito.
Providencie antecipadamente um bom substrato, adequado a espécie a ser replantada, e/ou corrija o solo se necessário. Existem  bons produtos à venda no mercado, e querer economizar com o substrato acaba virando um grande prejuízo mais tarde. Esse gasto a mais representa um percentual mínimo no orçamento final. Em casos de dúvidas, se o seu solo é adequado ou não, consulte sempre o produtor, o jardineiro ou paisagista ou o engenheiro agrônomo se for necessário.
Replante o tão logo for possível. Se for preciso esperar alguns dias após a compra, proteja a planta do sol direto, mas mantenha-a  em ambiente externo e arejado. Em caso de dúvidas, sempre pergunte ao produtor quando ela foi retirada do solo, e se não haverá danos, caso demore X dias para replantar.
Não desmanche o torrão, nem "ajeite" as raízes. Esse procedimento só é necessário, ou deve ser feito em épocas específicas, para fins específicos e por pessoas especializadas (bonsaístas, por exemplo).
Em jardins, ela normalmente pode ser plantada com a estopa e tudo, retirando apenas a corda usada para amarrar. Certifique se a estopa é orgânica. Alguns produtores usam estopa mista sintética, manta bidim, sacos de cebola ou até mesmo sacos plásticos. Nesse caso, elas precisam ser removidas, antes do replantio.
Não é necessário adubar. Também não recomendamos utilizar terra adubada no replantio. Um dos erros mais comuns na jardinagem, é achar que a planta vai se recuperar mais rápido com uma super-adubação, quando na verdade isso provoca a queima das raízes. Toda planta que teve raízes podadas, vai sentir em maior ou menor grau essa agressão. E como qualquer organismo vivo fragilizado, ela vai precisar se recuperar e não devem receber uma "alimentação" pesada. Espere ela se acostumar no novo solo, e aguarde pelo menos 3 meses antes de aduba-las novamente.
Sempre faça uma cova maior que o tamanho do torrão, tanto na altura quanto na largura, e não esqueça de forrar também o fundo do buraco com o substrato.
Após o replantio, regue abundantemente.
Se o local do replantio  venta muito, pode-se usar um tutor para mante-la no lugar até o completo enraizamento. Pelo mesmo motivo, deve-se tomar cuidado para que ninguém use a planta recém-plantada como encosto ou escora.

APÓS O REPLANTIO:
A água é essencial para qualquer organismo vivo. Sem ela, a planta morre. Mesmo que o produtor ou paisagista esqueça de dizer isso, regar a planta é imprescindível. Não esqueça de regar, todos os dias, ou de acordo com as recomendações do produtor, principalmente nas primeiras semanas. Prefira fazer isso na parte da manhã ou final da tarde. Além da planta aproveitar melhor a água, você economiza com as regas, já que regando nos horários mais quentes, boa parte da água se perde com a evaporação.
A não ser em casos de sol excessivo, não é necessário regar mais de uma vez por dia, no caso dos jardins. Para as plantas em vaso, regue mais, se achar necessário. Mas tome cuidado para não deixar a terra encharcada durante o dia todo. Excesso de água pode "afogar" a planta. O cuidados tomados durante o primeiro mês vão garantir o bom "pegamento" da planta.
Após 15 ~ 20 dias, pode-se começar a diminuir as regas gradativamente. Após 50 ~ 60 dias,  a planta já estará  enraizada, e  podem ser regadas apenas quando necessário, de acordo com as recomendações do produtor.
Em caso de dúvidas, use o bom senso. Toque o solo em volta da planta. Se a superfície ainda estiver úmida, não é necessário regar. Plantas em vasos, exigem mais regas que as plantadas em jardim.

ADUBAÇÃO
Aguarde o período de recuperação da planta, antes de iniciar a adubação. Pequenas doses aplicadas com frequência, é melhor que superdosagem com longos intervalos de tempo. Adube principalmente nos meses de primavera e verão, que é o período em que elas mais se desenvolvem e precisam de uma ajuda extra na nutrição. No inverno,  não é necessário adubar.
O adubo deve ser colocado sempre nos cantos do vaso, nunca próximo ao tronco. Em plantas do jardim, faça uma projeção de aproximadamente 1 palmo ao redor do torrão plantado. Com o passar do tempo as raízes vão crescendo, então vá aumentando a distância gradativamente, até chegar aproximadamente ao diâmetro da copa.
Existem vários bons fertilizantes à venda no mercado. Fertilizantes químicos como o NPK granulado não provocam mau cheiro, mas devem ser usada em pequenas quantidades, por serem muito concentrados. Prefira os químicos com macro e micro nutrientes, principalmente se for em vasos. Fertilizantes orgânicos já vem com micronutrientes, não queimam as raízes, e melhoram bem a qualidade da terra. Uma das dobradinhas mais famosas e eficientes é a mistura de torta de mamona + farinha de osso, mas ela não é recomendada para quem tem cachorro em casa. O cheiro da farinha de osso atrai o animal, que faz um buraco no seu jardim, e ingere junto a torta de mamona, que é tóxica para eles.
A adubação deve ser feita sempre em horários de menor incidência solar, e  regadas abundantemente em seguida.

COMPRANDO PLANTAS ENVASADAS
pinheiro negro em vaso mantido em ambiente interno. 
não morreu, mas ficou deformado, pois  perdeu
todos os galhos inferiores.
Plantas envasadas são mais fáceis, pois geralmente ela já está "pega". Pergunte ao produtor há quanto tempo elas foram envasadas. Se forem recentes, elas devem ter passados por todas as recomendações acima. Mas se ela já está há muito tempo no mesmo vaso, podem precisar de uma poda nas raízes e uma renovação de substrato, que se esgotam e se compactam com o tempo, prejudicando o seu desenvolvimento. A medida que a planta cresce, o vaso também precisa crescer.

Uma das coisas mais bizarras que já presenciamos, foi  um cliente que havia comprado um bonsai de um vendedor ambulante. Segundo ele, era uma planta com tronco bem grosso, e com folhagem viçosa na hora da compra, mas em poucos dias, foi secando secando, mesmo seguindo todos os cuidados. Essa planta nos foi deixada para  fazermos o serviço de recuperação (ou pronto-socorro). Observando bem, havia algo muito estranho. Foi só puxar a planta e vimos o que estava acontecendo. A planta não tinha raízes. O vendedor picareta simplesmente serrou um galho bonito e enterrou num vaso com terra.

Por isso, mais uma vez ressalto a importância da procedência. Escolha sempre produtores confiáveis.
Como qualquer organismo vivo, sempre existe a possibilidade da planta vir a morrer. Mas tomando os devidos cuidados, essa possibilidade se torna infinitamente  menor.
Boas compras!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

IMPLANTAÇÃO DE JARDINS: ANTES e DEPOIS

Esse jardim, em SP/SP,  esteve aos nossos cuidados desde sua concepção. Simples e discreto, valoriza sem ofuscar a bela fachada da construção. Hoje trabalhamos na sua manutenção. Nessas fotos, estão registradas todo o processo de antes e depois.
ANTES


 DURANTE

Sérgio, nosso funcionário pau pra toda obra, já está até sendo reconhecido pelas pessoas, de tanto q aparece nesse blog.

 DEPOIS

MANUTENÇÃO

olha o Sérgio aí de novo... cuidando da manutenção

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

JARDINS: ANTES & DEPOIS

Residência em SP/SP. Mais um trabalho realizado por nossa equipe.

 ANTES
acer palmatum , jardinagem

DEPOIS
idéias para jardim

jardim de inverno

acer palmatum no jardim

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

JARDIM ECONÔMICO

Se engana quem pensa que é preciso gastar muito para fazer um jardim.
É preciso levar em conta que é o projeto que deve se adequar ao orçamento disponível, e não o contrário.
Tomando isso como base, pouco espaço no quintal e orçamento apertado não foram empecilho para a dona dessa residência em SP, fazer um cantinho japonês. 
Nele foram utilizados pouquíssimos elementos: um Acer Palmatum,  um Pinheiro Negro em tamanhos reduzidos, e um shimpaku. O chão  forrado com pedriscos, e algumas rochas dão o acabamento nesse mini jardim recém-implantado.
Esse foi um projeto foi econômico em todos os sentidos.Agora só  falta uma lanterna de pedra, pra dar um toque final!
kuromatsu, pinheiro negro, jardim japones

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

RELAÇÃO DE PLANTAS PRODUZIDAS NO SÍTIO

ACER PALMATUM
acer palmatumacer palmatum

AZALÉIA BRANCA

RODODENDRO/ AZALÉIA ARBÓREA

jardim com rododendro

Nome científico: Rhododendron spp.
Nome vulgar: Rododendro, Azaléa arbórea.
Familia: Ericaceae.
Origem: Asia, China occidental.
Luminosidade: prefere meia-sombra
Porte: até 3 metros de altura.

O rododendro é um arbusto perene, de crescimento lento, que floresce nos meses de outono e inverno. Suas folhas tem um tom verde vivo e sua floração é farta, formando belos ramalhetes com grande impacto visual.
Tanto as folhas, quanto as flores do rododendro são tóxicas, e podem ser fatais se ingeridas por crianças ou animais.
Apesar de não gostarem de sol direto, não devem ser mantidas dentro de casa. Elas necessitam de pelo menos 5 horas de sol diário, e ambiente arejado. É bem tolerante ao frio, mas nas regiões Sul do Brasil, devem ser protegidas das geadas.
Gosta de solos ácidos,  ricos em ferro e mantidos sempre úmidos, mas nunca encharcados.
O rododendro é suscetível a inúmeras pragas, como pulgões e cochonilhas. Também é preciso tomar cuidado quanto ao substrato. Em solos alcalinos não se desenvolvem bem, e pode desenvolver clorose férrica. Pulverizações  com calda de fumo, e adubação frequentes com fertilizante com micronutrientes corrigem facilmente esses problemas.

Para comprar seu exemplar, entre em CONTATO.
rododendro rosa

rododendro

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

PIERIS JAPÔNICA

  • Família: Ericaceae
  • Nome popular: Pieris Japônica, Andrômeda japonesa, lírio do vale japonês.
  • Classe:Magnoliopsida
  • Divisão:Spermatophyta
  • Origem: Japão
  • Porte: até 3 metros
  • Ciclo de vida: perene
pieris japonica para jardim japonês

Com uma floração abundante e muito delicada, a pieris japônica é um arbusto ornamental, utilizada não apenas no paisagismo japonês, mas apreciada também em vários outros estilos paisaísticos.
Gosta de solos levemente ácidos e ricos em matéria orgânica, regas abundantes e é razoavelmente resistente à pragas e infestações.
Aceita bem as podas, e se plantada em vasos, dificilmente ultrapassa 1 metro de altura. Costuma ser mantida com o formato arredondado, e é também um exemplar muito utilizado na arte do bonsai. 
Suas folhas apresentam um tom verde vivo, e  as novas brotações exibem uma bela coloração avermelhada. 
Na primavera, exibe uma belíssima floração com pendularias brancas.
Geralmente é plantado isolado, mas também fica muito bonito em grupos.
Apesar da origem asiática, aclimatou-se muito bem em climas tropicais. Suporta sol pleno, mas prefere meia-sombra.Nas regiões com inverno rigoroso, deve ser mantida protegida do frio intenso.

Para adquirir sua Pieris Japonica, entre em CONTATO
pieris japonica para jardim japonês